AECOPS ASSINALA RECUPERAÇÃO DO INVESTIMENTO PÚBLICO

A Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços (AECOPS) revelou esta quinta-feira que os números referentes a 2016 assinalam não só um crescimento em relação ao número de donos de obra que lançaram iniciativas públicas (foram 500, um crescimento de 9% face ao registado em 2015) como um aumento de procedimentos (+30) que representaram também um aumento dos valores médios (725,6 mil euros, mais 41% face aos 672 mil euros registados em 2015). Para a organização liderada por Ricardo Pedrosa Gomes, os dados “os números traduzem uma recuperação do investimento público, com o lançamento de novos projectos de maior valor, muito deles financiados com fundos comunitários do Portugal 2020, em linha com o ciclo eleitoral e com a realização de eleições autárquicas no último trimestre de 2017”. Contudo, 2016 fica igualmente marcado por quebras ao nível das adjudicações nomeadamente em valor e promotores. É um quadro que reflecte, diz a AECOPS, o reduzido volume do investimento público, a ausência de novos projectos relevantes e, por outro, um escasso número de empresas, cerca de 7% das empresas registadas no IMPIC, a executarem obras para entidades públicas. No entanto, os concursos promovidos no período em análise prometem trazer a este segmento da actividade da Construção uma outra pujança, nomeadamente a partir de 2017. Segundo a análise detalhada do comportamento das Obras Públicas habitualmente promovida pela AECOPS a partir da informação divulgada pelo portal BASE, e agora actualizada sob o título “Os números do Mercado de Obras Públicas em 2016”, no ano passado, 990 donos de obra contrataram empreitadas com um valor médio de 352 mil euros a 3.269 empresas. Do documento que agora se divulga, e no que se refere aos contratos celebrados, destaca-se ainda a recuperação de 17% face a 2015 no montante de contratos de obras públicas celebrados, que atingiu 1.150 milhões de euros; a redução do número de donos de obra com contratos de obras públicas, que foi mesmo o mais baixo dos últimos quatro anos: 990 entidades contratantes, face a 1.409 em 2013; o aumento do número médio de contratos celebrados por dono de obra, que foi o mais elevado dos últimos 4 anos (12 contratos) e um dos mais elevados por empresa (3,6 contratos por empresa, média apenas ultrapassada pelos 3,7 de 2013).

Visita ao México

A AMOG realizou este mês de janeiro uma missão empresarial ao México, enquadrada no âmbito do projeto Powered by Portugal, que tem como objetivo apurar as oportunidades de internacionalização para os Mercados do México e Peru. A viagem de prospeção ao México teve por finalidade aumentar os contactos comerciais com potenciais parceiros e clientes, bem como realizar uma análise aprofundada de oportunidades de negócio neste país. A primeira Missão ao México realizada no âmbito do projeto Powered by Portugal, baseou-se numa visita à Cidade do México, tendo sido realizadas reuniões com diversos órgãos afetos ao setor da construção e com distribuidores de produtos da fileira habitat.