Trump exporta empresas mexicanas para Portugal

Com as relações entre os Estados Unidos e o México a complicarem-se, as empresas mexicanas viram-se para a Europa. Portugal vai receber dezenas delas em Setembro, dois meses depois de o país acolher uma missão empresarial portuguesa. É o chamado "efeito Trump". A juntar à decisão de construir um muro fronteiriço, a ameaça do presidente norte-americano de romper o acordo comercial (NAFTA) com o México está a levar este país a reforçar as suas relações comerciais com o resto do mundo, nomeadamente com a Europa, estando marcadas cimeiras conjuntas entre o governo mexicano e a Comissão Europeia para Abril e Junho próximos. E Portugal está na órbita deste "efeito Trump": na próxima quinta-feira, 16 de Março, será anunciada, em Lisboa, a realização, em Julho, de uma missão empresarial portuguesa ao México, de onde chegarão ao nosso país, dois meses depois, "dezenas de empresas mexicanas". "Portugal está na linha da frente da oportunidade que constitui a reorientação do mercado mexicano dos Estados Unidos para a Europa", afirma Miguel Gomes da Costa, presidente da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Mexicana (CCILM). "O México vive um momento de grande investimento e tem uma enorme necessidade de empresas estrangeiras que ajudem a concretizar os seus planos. O trabalho de companhias como a Mota-Engil ou a JP-Inspiring Knowledge [ex-JP Sá Couto], entre outras, construíram para as empresas portuguesas no México a reputação de estarem na vanguarda da qualidade europeia", considera o mesmo responsável, em comunicado. Já o embaixador do México em Lisboa, Alfredo Pérez Bravo, reconheceu que "os problemas que enfrentará o comércio entre o México e os Estados Unidos aconselham o México a procurar uma maior diversificação das suas relações económicas", confirmando assim a intenção de as empresas do seu país investirem em Portugal e contratarem empresas lusas como fornecedoras. Bravo deixa ainda um apelo ao empresariado nacional: "Convido os empresários portugueses a manter a sua confiança no México, e a crescer em conjunto com os seus parceiros mexicanos, de tal modo que a forte relação luso-mexicana seja um instrumento real de crescimento e desenvolvimento para as nossas duas nações." Segundo o Portugal Connect, o projecto da CCILM de promoção do intercâmbio entre empresas tecnológicas portuguesas e mexicanas, a comitiva de empresas mexicanas que irão participar na visita a Portugal, em Setembro, terá "uma forte representação dos sectores agro-alimentar, de tratamento de resíduos, materiais de construção e consultadoria". A sessão da próxima quinta-feira contará com a participação dos embaixadores dos dois países, do director da ProMéxico (a agência de promoção da economia mexicana no estrangeiro) e de dirigentes da AICEP.

ABERTAS CANDIDATURAS AO PRÉMIO OBRA DO ANO 2017

Até ao próximo dia 20 de Março está aberto o período de nomeações ao Prémio ArchDaily Obra do Ano 2017. Segundo o portal de arquitectura, através deste prémio, “pela primeira vez está a ser atribuídos aos leitores a responsabilidade de reconhecer e premiar os projectos que causaram o maior impacto na profissão”. Para o efeito, durante as próxima duas semanas, caberá aos leitores filtrar centenas de projectos oriundos de países lusófonos – Brasil, Portugal, Moçambique, Angola, Guiné-Bissau, Timor-Leste, Guiné Equatorial, Macau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe – publicados em 2016, seleccionado as melhores obras construídas em território de língua portuguesa. De um universo de centenas de obras que foram publicadas durante 2016, os leitores vão escolher as favoritas, das quais as 15 mais votadas passarão à segunda fase de votação do Prémio. Ao galardão podem candidatar-se obras construídas em países de língua portuguesa e publicadas no portal, na secção de projectos entre 1 de Janeiro de 2016 e 31 de Dezembro de 2016. Os 15 finalistas serão anunciados a 21 de Março