STEEL TALK DEBATE PESO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA NA SUSTENTABILIDADE EM COIMBRA

“A Construção Metálica e a Sustentabilidade” será o tema da próxima Steel Talk, que a CMM – Associação Portuguesa da Construção Metálica e Mista realizará no próximo dia 10 de Maio, na Universidade de Coimbra. Esta conferência, organizada em parceria com o Cluster Habitat Sustentável, no âmbito do projecto Portugal Steel propõe-se a lançar o debate sobre as potencialidades da construção metálica na sustentabilidade e a avaliar o ciclo de vida das soluções desenvolvidas por este sector. Em comunicado de imprensa, a CMM sublinha o desenvolvimento sustentável como “uma questão essencial” na actualidade, destacando as suas implicações “em todos os sectores da nossa sociedade”. “A indústria da construção desempenha um papel fundamental nos objectivos do desenvolvimento sustentável”, frisa a associação, apontando a contribuição deste sector para a economia global, bem como os “impactos significativos” que aporta para o ambiente e para a sociedade. Para a CMM, o contributo da construção metálica para a sustentabilidade é “uma aposta a ter em conta”, pela utilização de materiais sustentáveis, por um lado, e pela eficiência energética deste tipo de construção, por outro. “As empresas do sector da construção metálica têm registado, nos últimos anos, um crescimento anual dos valores superior a 20% ao ano, reforçando o reconhecimento por parte do mercado nacional e internacional da qualidade da indústria nacional”, refere o presidente da CMM. Segundo Luís Simões da Silva, as empresas deste sector garantiram, em 2015, “26 mil postos de trabalhos directos e representaram um volume de negócios superior a 3.500 milhões de euros”, dos quais 45,5% correspondem à exportação. Para o professor, que revela que as exportações do sector representam cerca de 2% do valor das exportações nacionais e 2,19% do PIB, estes dados permitem “assegurar que a construção metálica portuguesa se afirmou claramente como um motor de inovação e de internacionalização na indústria nacional”. “Este ritmo de crescimento vai continuar a aumentar nos próximos anos, porque são, cada vez mais, necessárias soluções sustentáveis como a construção metálica, que prevê a reutilização da matéria prima e consequente redução de extracção do minério”, reforça. Para Victor Ferreira, “a sustentabilidade constitui o mote para a inovação e para a transformação pretendida pelo Cluster, com os desejados impactos em termos económicos, sociais e ambientais”. Nas palavras do presidente da direcção do Cluster Habitat Sustentável, “foi neste âmbito que desenvolvemos uma estratégia para potenciar oportunidades e um programa de especialização inteligente (RIS3) da região Centro, que assenta em quatro áreas focais como soluções industriais sustentáveis, valorização e uso eficiente dos recursos endógenos naturais, tecnologias ao serviço da qualidade de vida e inovação territorial”.

Abertos concursos para apoio à competitividade e internacionalização das PME

Encontram-se abertos, no âmbito do Portugal 2020, concursos para a apresentação de candidaturas ao Sistema de Incentivos Competitividade e Internacionalização das PME, que se destinam a promover a internacionalização das empresas através do reforço dos fatores imateriais de competitividade, aumentando a sua capacidade de resposta no mercado global. A dotação orçamental global afeta a estes concursos é de 103 milhões de euros, sendo 70 milhões para os projetos que incluam a tipologia de investimento “Internacionalização das PME”. De acordo com o Aviso nº 11/SI/2017 (Internacionalização das PME) são apoiados investimentos destinados a obter conhecimento dos mercados externos, nomeadamente através de ações de marketing internacional, prospeção e presença em mercados internacionais, presença na web através da economia digital, certificações específicas para mercados externos e demais ações a montante do processo de internacionalização das empresas de construção. No âmbito do Aviso nº 12/SI/2017 (Qualificação das PME) são suscetíveis de apoio investimentos relacionados com ações de inovação organizacional e de marketing, economia digital e TIC, conceção e implementação de sistemas de certificação, distribuição e logística, e eco-inovação, entre outras, com relevo na esfera de atividade do setor da Construção. Podem candidatar-se as PME que se localizem em todas as região NUTS II do Continente, desde que cumpram todos os critérios de acesso, elegibilidade e de seleção constantes dos avisos acima referidos e cujos projetos se enquadrem nas prioridades de investimento identificadas e se destinem a prosseguir os objetivos igualmente delineados no Aviso. O incentivos a conceder sob a forma não reembolsável, ou seja, a fundo perdido, terão uma taxa de comparticipação de 45% das despejas elegíveis, com exceção dos incentivos a conceder pelo POR de Lisboa, os quais são calculados através da aplicação às despesas elegíveis de uma taxa máxima de 40%. O limite máximo de despesas elegíveis por projeto de ambos os avisos é de 25 mil euros. Os períodos de candidatura, que deverão ser submetidas online no site do Portugal 2020, através do Balcão Único de acesso, mediante registo e autenticação prévia, variam consoante os Programas Operacionais, oscilando entre o dia 10 de abril e os dias 10 de maio e 30 de junho.